Seminário

Mesas

  1. Entre o corpo e o quadro
    14h30 – dia 5 de Dezembro

Com: Lidia dos Anjos (CE), Mara Rachel (CE), Magno Rodrigues (CE) e Cintia Lima (PE)

Entre o Corpo e o Quadro busca entre os relatos e reflexões de quatro atrizes/ator: a pernambucana Cintia Lima, os cearenses Magno Rodrigues, Mara Rachel e Lidia dos Anjos, pensar a mediação de ser um corpo que inscreve a co-autoria da imagem enquadrada dentro das perspectivas do cinema. Refletir sobre como é construir um filme diante de imaginários perversos que afligem projeções desses corpos pretos, que processos e mediações são necessárias entre atuação, direção e produção para reinscrever uma nova forma de enquadrar ou melhor, ensaiar o enquadramento de um corpo.

  1. Quem faz cinema no Ceará? 
    16h30 – dia 5 de Dezembro

Com: Déo Cardoso (CE), Kiko Alves (CE) e Luly Pinheiro (CE)

Imaginar políticas públicas voltadas dentro do cinema estadual cearense para  a realização de trabalhos realizados por diretores negros e pensar formas de o cinema ser mais acessível para novos realizadores é a questão da mesa “Quem Faz Cinema no Ceará?”. Junto dos realizadores Kiko Alves e Déo Cardoso, Luly Pinheiro media as possibilidades de uma nova forma de viabilizar o Cinema dentro do Ceará.

  1. Imagens e Narrativas em Perspectivas Negras
    14h30 – dia 6 de Dezembro

Com: Rayanne Layssa (PE), Luca Salri (CE), George Ulysses (CE) e Leon Reis (CE)

Não existe uma forma certa de olhar, bem como é impossível criar caminhos definitivos de entender e tabular as forças estéticas que circundam o cinema negre brasileiro. Tentar sentir as formas que reagem e nascem dentro dessas epistemologias quase nunca catalogadas é uma busca necessária, não só para infiltrar a forma linguística pela qual os movimentos cinematográficos se perduram no tempo, bem como tentar ver e ouvir onde está o estado da matéria de nosso cinema e quais foram suas transformações. Dessa forma, convidamos Rayanne Layssa, Luca Salri, George Ulysses, que mediados por Leon Reis, conversam sobre essas possibilidades narrativas a partir de outras/nossas perspectivas. 

  1. Difusão e exibição: mostras de cinema no Nordeste
    16h30 –  dia 6 de Dezembro

Com: Luciana Oliveira (SE), Izabel de Fátima (BA) e Naymare Azevedo (BA)

A história de difusão e organização de cineclubes e mostras com o desejo de trocar conhecimento e exibir os filmes realizados por diretores pretes é antigo no Brasil. Mas a história como sempre bem faz seu serviço, nos traz demandas de resgate bem difíceis dentro da esfera individual. Para isso convidamos Luciana Oliveira produtora da Mostra de Cinema Negro EGBÉ em Sergipe, a pesquisadora e historiadora Izabel de Fátima Cruz Melo, bem como a realizadora, produtora e pensadora Naymare Azevedo.


Masterclass

  1. Oscar Micheaux: um Fantasma que nos Olha
    14h30 – dia 7 de Dezembro

Com: Leon Reis (CE)

Oscar Micheaux nascido em Metropolis – Illinois não é o primeiro realizador, roteirista e produtor de cinema norte americano negro que se tem conhecimento. É um fantasma que ressurge como muitos, apagado pelo tempo que não se importou com seus trabalhos e resgatado pelo trabalho de estudantes durante a década de 80. O realizador tem mais de 44 trabalhos contabilizados, não se sabe quantos perdidos, apenas 15 estão acessíveis para exibição ou foram restaurados. Dentre a filmografia resgatada surge imagens que espantam pela sua força ao querer discutir relações interraciais, a passabilidade que pretxs de pele clara tinham e tem na sociedade americana, ou o seu poderosíssimo Within Our Gates (Nos Limites dos Portões/1920), filme em resposta ao racista trabalho de David W. Griffith Nascimento de Uma Nação que foi proibido por mais de 60 anos após sua primeira exibição. Em Nos Limites dos Portões uma professora negra vai passar por inúmeros processos estruturais racistas que a impedem de conseguir angariar recursos para salvar uma escola para crianças negras.

  1. Territórios Ancestrais
    16h30 – dia 7 de Dezembro

Com: Rodrigo Ferreira (CE) e Paolla Martins (SP)

A masterclass Territórios Ancestrais, com Paolla Martins e Rodrigo Ferreira, falará sobre os últimos trabalhos de ÒDÀRÀ (CE), propondo diálogos sobre a ética do audiovisual na periferia e a ancestralidade como preceito narrativo, no processo de resgate das cosmovisões dos povos das matas e do catimbó, que viveram e resistem nesses territórios, por meio das memórias e cultos cotidianos.