Sessão 7


Filhas De lavadeira

2019, Documentário, 22m, Livre, Distrito Federal
SINOPSE: O documentário: “Filhas de Lavadeira” apresenta histórias de Mulheres Negras que graças ao trabalho árduo de suas mães puderam ir para escola e refazer os caminhos trilhados pelas suas antecessoras. Suas memórias, alegrias e tristezas, dores e poesias se fazem presente como possibilidades de um novo destino. Transformando o duro trabalho das lavadeiras em um espetáculo de vida e plenitude.
Direção: Edileuza Penha de Souza


Amor de Ori

2017, Ficção, 7m, Livre, Distrito Federal
SINOPSE: Oxum todos os dias vai ao rio encher sua talha com água. Um dia, uma mulher de roupas vermelhas cruza seu caminho e muda sua vida para sempre.
Direção: Bruna Barros


Naúfraga

2019, Documentário, 4m, Livre, Bahia
SINOPSE: No batuque das ondas a mulher náufraga desemboca no mar suas memórias
Direção: Juh Almeida


Glória

2019, Experimental, 6m, 10 anos, Rio de Janeiro
SINOPSE: Das lágrimas às tsunamis, toda água tem a mesma origem e um só fim.
Direção: Yaminaah Abayomi e Nádia Oliveira


Embaraço

2018, Documentário, 25m, 12 anos, São Paulo
SINOPSE: Embaraço conta o ponto de vista da militância estética, sob o olhar de quatro mulheres negras, através das histórias de suas transições capilares e da sua luta diária na quebra contra os padrões de beleza.
Direção: Mirtes Agda Santana


CoroAção

2019, Experimental, 9m, Livre, Rio de Janeiro
SINOPSE: A performer Mariana Maia transita seu corpo pela cidade numa narrativa sensorial que envolve a relação da água na sua ancestralidade enquanto mulher preta.
Direção: Juciara Áwô e Luana Arah


AURORA

2019, Doc. Hídrido, 15m, Livre, Sergipe
SINOPSE: As existências de três mulheres negras – de diferentes espaços, contextos e idades – são cruzadas pelo olhar. O atravessamento da câmera-olho, nesse filme, nos questiona para além do que é visto: o que é sentido, interiorizado e, também, aquilo que pode ser colocado para fora. O que é permitido ver? E o que não é? Não restam dúvidas de que há poder no olhar”!. No palco de um teatro destruído assistimos a Elizabeth, Mercedes e Crisalida, três mulheres negras em diferentes etapas da vida, revivem tudo o que sofreram com a interpretação de seus próprios conflitos na forma de monólogos interiores.
Direção: Everlane Moraes