Sessão 6 – Presente é ficção

Onde plantas são a cura, a terra serve de memória. Na sexta sessão da 3a Mostra Negritude Infinita, Ancestralidade de Terra e Planta apresenta um corpo que grita por reparação. Desaguardar, logo em seguida, nos leva a  revisitar memórias para orquestrar linhas de fuga, contrapor o presente. Enquanto Ecstatic, a memória é materializada em panos brancos para confrontar o desassossego do presente. Para onde estamos partindo? Com leveza, Você Já Tentou Olhar nos Meus Olhos? Faz o questionamento com pés fincados no presente, o aqui é agora. Olhe para mim, esse é meu corpo. I am vírus, e o que pode, esse corpo?

Debate da 6º sessão ocorre no dia 25/03, às 19h, no Canal da Casamata, com Ed Borges, Vitor Rennan, Tiago Felipe e Paula Trojany.


ANCESTRALIDADE DE TERRA E PLANTA

2021, Experimental, 5m, Livre, Amazonas
SINOPSE: A utilização das plantas como cura e terra como memória, o projeto é um banho para renascimento, onde o contato se torna um elemento transmissor de informações enterradas pelo apagamento histórico. Manter esses usos e costumes tradicionais é estabelecer relações com o sagrado. Sendo esses processos ritualísticos mecanismo de curar males, trazer equilíbrio físico e emocional. Alta tecnologia ancestral guardada pelas rezadeiras, xamã, yalorixás e babalorixás. Sendo eles médicos, líderes, socorristas, pessoas capazes de fortalecer uma comunidade e estruturá-la para a existência de um futuro.
Direção: Keila Serruya Sankofa


DESGUARDAR

2020, Ensaio, 17m, Livre, Ceará
SINOPSE: Retomar o passado agora parece ser a melhor maneira se ancorar num presente e desenhar uma linha de fuga para um futuro à vista. “Desguardar” é uma autocompreensão do fazer artístico individual em eco com o de tantas outras pessoas negras. A quem é resguardada a possibilidade de se autodefinir como artista? No peito, queima como melaço obras e histórias escondidas. É necessário desguardar do peito aquilo que o corrói.  O filme faz parte de uma trilogia audiovisual-fotográfica: “Desguardar”, “Desesquecer”, “Desapagar”.
Direção: Ed Borges


ECSTATIC

2020, Experimental, 8m, 10 anos, Ceará
SINOPSE: O não-lugar puxa o não existir. Corações emaranhados no dia em que os planetas se alinharam, 17 de março, a Pandemia. A lua já não é mais nova, míngua em seus próprios caminhos, entre o desconhecido e o recém-formado, perguntando-se se algum dia chegará a ser Cheia.
Direção: Vitor Rennan
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


VOCÊ JÁ TENTOU OLHAR NOS MEUS OLHOS?

2020, Documentário, 4m, 12 anos, Paraná
SINOPSE: Quem dita o que um corpo negro necessita? Você já tentou olhar nos meus olhos?
Direção: Tiago Felipe


I AM VÍRUS

2020, Experimental, 8m, 16 anos, Ceará
SINOPSE: destruir imunidades, sopro perigoso.
Direção: Paula Trojany


APOIO

REALIZAÇÃO