Sessão 4 – Pássaro que voa pra frente e olha pra trás

Escavar o tempo e mapear historiografias. Aqui temos um conjunto de filmes que se inventam através de giras temporais. Vestígios de memórias des-congeladas na imagem e evocadas na contação das histórias. Em Acervo ZUMVI – O Levante da Memória (Iris de Oliveira), mergulhamos num profundo mar de fotografias, ao passo que em rastros da z’emcruzilhadas (Pedra Silva), o pixel frágil nos deixa apenas fragmentos de narrativa. “Passarim, passarim, se encante aqui” canta baixinho Kulumin-Açu em Rio-coral, transbordando visualidades na dobra do quadro. Pelo poder da oralidade feminina, Macumba, as guardiãs do segredo (Viviane Maisa) reafirma a resistência da memória do povo de terreiro. Da mesma forma que em Joãozinho da Goméia – O rei do candomblé (Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra), um precioso arquivo histórico ajuda a reencenar a vida dessa figura tão emblemática das religiões de matriz africana.

Debate da 4º sessão ocorre no dia 22/03, às 19h, no Canal da Casamata, com Iris de Oliveira, Lázaro Roberto, Viviane Maisa, Pedra Silva, Janaina ReFem e Kulumim-Açu.


ACERVO ZUMVI – O LEVANTE DA MEMÓRIA

2020, Documentário, 36m, Livre, Bahia
SINOPSE: O documentário trata da história do ZUMVI Arquivo Fotográfico, sua luta por preservação e a trajetória profissional do fotógrafo Lázaro Roberto, o “Lente Negra”, um dos pioneiros da fotografia documental na Bahia. O acervo contém mais de 30 mil fotogramas – um precioso e pouco conhecido conjunto de registros de importantes e definidores momentos da história da luta por justiça social da população negra na Bahia reunidos desde a década de 70. A iniciativa é viabilizada por meio do Edital Setorial de Audiovisual 2019, com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia.
Direção: Iris de Oliveira


MACUMBA AS GUARDIÃS DO SEGREDO

2021, Documentário, 43m, Livre, São Paulo
SINOPSE: O documentário ‘Macumba’ surge a partir da necessidade de se falar sobre as reais experiências vividas em uma casa de candomblé, que perpassam os processos religiosos e o que eles proporcionam a aqueles que vivem o dia a dia de uma casa de candomblé até os ataques que as casas e seus filhos vivem cotidianamente. O filme aborda as relações e vivências dentro de duas casas de candomblé localizadas nos extremos Leste e Sul da periferia de São Paulo. Ambas geridas por mulheres.
Direção: Viviane Maisa
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


RASTROS DAS Z’ENCRUZILHADAS

2020, Ficção, 6m, Livre, Ceará
SINOPSE: Como acontece um processo de aculturação? Como romper com o alzheimer colonial? Se eu cavo é por que pistas foram deixadas. Como perceber as pistas para além da matéria? De que forma entro em frequência e percebo que estou diante de um rastros. Perguntas nos impulsionam a dobra o arco e flecha na busca de nossos arquivos.
Direção: Pedra Silva
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


JOÃOSINHO DA GOMÉA – O REI DO CANDOMBLÉ

2019, Documentário, 14m, Livre, Rio de Janeiro
SINOPSE: O filme apresenta Joãosinho da Goméa como narrador principal de sua história. Com músicas cantadas por ele, performances provocadoras e arquivos diversos que ressaltam o quanto ele é importante para as religiões de matriz africana. A Rainha Elizabeth II disse que se o candomblé tivesse um rei, esse seria Joãosinho da Goméa, o Rei do Candomblé.
Direção: Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


RIO-CORAL

2020, Experimental, 5m, Livre, Ceará
SINOPSE: Rio-coral é um fluxo de pulso vital à beira do Rio Acaraú, Sobral – CE. Comunhão indígena sobre ser nave ternura que brota desde os olhos d’água da Serra da Mata e navega até a foz do município de Acaraú – CE.
Direção: Kulumim-Açu


APOIO

REALIZAÇÃO