Sessão 3 – Como peixes errantes

Mulheres que tiram seu sustento do mar, os encontros do filme de abertura da  terceira sessão da 3a Edição da Mostra Negritude infinita, ‘Entremarés’,abre espaço para pensarmos sobre territorialidades. Em Pattaki, gravado em Cuba, a água que outrora alimenta, assume o lugar de mistério. Invadimos a cidade. Invadiram também o Brasil? Pindorama, terra das palmeiras, a ficção dá lugar ao desejo coletivo, musical e colorido. Um país sem brancos é nosso passado distópico. Já em Suellen e a Diáspora Periférica, diz-se que “eu sinto saudade, mas não sinto tanta falta”, a memória dos corpos negros é ativada através do pertencimento. Somos todos migrantes, a vida pede movimento. A vida gera outras vidas, novas vidas. Um corpo de mãe, é um corpo-território?.Puerpério fecha a sessão nos deslocando ao território desconhecido da maternidade. Mulheres como peixes errantes.

Debate da 3º sessão ocorre no dia 21/03, às 19h, no Canal da Casamata, com Anna Andrade, Zahra Alencar, Renata Dorea e Luciana Oliveira.


ENTREMARÉS

2018, Documentário, 20m, Livre, Pernambuco
SINOPSE: No chão de lama, mulheres compartilham os seus vínculos e vivências com a maré, a pesca, e a Ilha de Deus.
Direção: Anna Andrade
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


PATTAKI

2018, Ficção, 21m, 12 anos, Cuba
SINOPSE: Os peixes agonizam à beira-mar à medida que a água invade a cidade e forma espelhos que distorcem sua imagem. Na noite densa, quando a Lua sobe a maré, esses seres, que vivem uma vida diária monótona sem água, são hipnotizados pelos poderes de Iemanjá, a deusa do mar.
Direção: Everlane Moraes
Contém LSE – Legendas para pessoas Surdas e Ensurdecidas


PINDORAMA, TERRA DAS PALMEIRAS

2020, Ficção, 6m, 12 anos, São Paulo
SINOPSE: E se a invasão europeia à América nunca tivesse existido?
Para os povos originários ameríndios, Pindorama era o nome dado aos limites do que se nomeia Brasil atualmente. Se o passado é uma descrição do que está por vir, imagine: uma terra biodiversa, palmeiras, águas
limpas, praias sem petróleo, um lugar sem brancos
Direção: Zahra Alencar


SUELLEN E A DIÁSPORA PERIFÉRICA

2020, Documentário, 4m, 10 anos, Minas Gerais
SINOPSE: Renata Suellen nasceu no Formigueiro das Américas, apelido da cidade com maior adensamento populacional da América Latina: São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Suellen e a Diáspora Periférica é um exercício fílmico, na tentativa de desapagar a memória de uma infância às margens do Rio de Janeiro.
Direção: Renata Dorea


PUERPÉRIO

Ensaio, 9m, Livre, Sergipe
SINOPSE: Uma mãe reflete sobre um momento da maternidade que ninguém conta a uma mulher. Momento esse que ela só conhece até vivenciá-lo: o puerpério.
Direção: Luciana Oliveira


APOIO

REALIZAÇÃO